Passar para o conteúdo principal

Perguntas Frequentes

/sites/default/files/2019-12/Patients_Passive_Quadrant02.jpg
section_bluedark
A doença renal crónica tem tratamento?

Os doentes com doença renal crónica na sua fase mais avançada, o estadio 5 (quando só uma pequena percentagem do rim se encontra a funcionar) necessitam, em determinada altura e para poderem viver, de efetuar um tratamento de substituição da função renal, que pode ser a hemodiálise, a diálise peritoneal ou o transplante renal. O doente deve escolher, em conjunto com o seu nefrologista assistente, a técnica que prefere e que melhor se adapta à sua vida.

Descobrir que se tem uma doença renal pode ser difícil, mas aprender mais sobre os seus rins é o primeiro passo para assumir o controlo da sua saúde. Seguir uma dieta saudável para os rins, não fumar, controlar a diabetes, a hipertensão e outros problemas de saúde poderá ajudá-lo a ter uma melhor função renal e durante mais tempo, mesmo que tenha uma doença renal. Também é importante que não se esqueça que não está sozinho. Na DaVita conta com uma equipa atenta, muito humana e bem preparada para o ajudar a compreender a doença renal e o tratamento certo para si.


O que é a hemodiálise?

A hemodiálise é a forma mais frequente de tratamento de substituição da função renal. É um processo que remove os resíduos e o líquido em excesso do sangue quando os rins, por si só, não são capazes de o fazer. Este tratamento pode ser realizado no hospital ou em clínicas de diálise perto da residência do doente. Durante o tratamento, o sangue é retirado de um vaso sanguíneo e passa por um filtro sintético, o dialisador (ou “rim artificial”), antes de ser devolvido ao organismo. Este processo ajuda a manter na corrente sanguínea níveis mais seguros de determinadas substâncias químicas, como por exemplo o potássio. Habitualmente, são necessárias três sessões de hemodiálise por semana, tendo cada sessão em média a duração de 4 horas. A hemodiálise é um tratamento eficaz para os doentes com doença renal em fase terminal. No entanto, a hemodiálise, sem qualquer outro apoio, não lhe garante um tratamento completo nos casos de insuficiência renal. Será necessário seguir um tipo de dieta ajustada às suas necessidades com controlo da ingestão de líquidos. Poderá ter de tomar alguns medicamentos para substituir outras funções desempenhadas pelos rins, tais como controlar a tensão arterial e estimular a produção de glóbulos vermelhos de modo a prevenir a anemia


Como é que funciona a hemodiálise?

Na hemodiálise, o sangue é retirado do corpo e filtrado através de uma membrana chamada dialisador ou rim artificial. Após esta “limpeza” é feito o retorno do sangue filtrado ao corpo do doente. Em média, as pessoas têm 4 a 5 litros de sangue; durante a diálise somente meio litro de sangue (cerca de duas chávenas) permanece fora do corpo.

Para se fazer hemodiálise tem de ser criado um acesso que permita que o sangue saia para o dialisador e retorne novamente ao seu corpo. Existem três tipos de acesso para a hemodiálise: fístula arteriovenosa (AV), prótese AV e cateter venoso central (CVC).

A fístula AV é o acesso vascular mais recomendado pelos especialistas em diálise; mas terá de decidir, em conjunto com o seu nefrologista, o acesso que melhor se adequa à sua situação.

Quando um doente começa a fazer hemodiálise, os sinais vitais e o peso do doente são verificados por um enfermeiro. O aumento de peso indica o excesso de líquidos que têm de ser eliminados durante o tratamento.

Nos doentes com acesso vascular (fístula AV ou prótese AV) são colocadas duas agulhas: uma para a saída do sangue - e outra para o seu retorno. Nos doentes com cateter venoso central o sangue entra e sai pelos ramos do CVC.

A máquina de diálise é programada e começa então o tratamento. A máquina de diálise é como se fosse um grande computador. Regista, de forma contínua, o fluxo sanguíneo, a tensão arterial, a quantidade de líquidos que são eliminados, assim como outras informações vitais. Mistura o dialisante, ou seja, a solução para diálise, que é o banho de diálise que entra no dialisador. A máquina de diálise possui uma bomba de sangue que mantém o sangue a fluir, permitindo que o sangue circule do doente para o dialisador e novamente para o doente. A máquina de diálise também tem várias funções de segurança, de modo a garantir um tratamento seguro e eficiente.

O dialisador é a chave para a hemodiálise. O dialisador é o chamado rim artificial, porque filtra o sangue - uma função que era desempenhada pelos rins. O dialisador é um tubo de plástico oco que contém muitos filtros minúsculos.

Existem dialisadores de diferentes tamanhos, por isso o Nefrologista prescreve o dialisador mais indicado para cada doente. O dialisador é composto por dois compartimentos: o compartimento para o dialisante (solução para dialise) e o compartimento para o sangue. Os dois compartimentos estão divididos por uma membrana semipermeável, para que não se misturem.

A membrana semipermeável tem orifícios microscópicos através dos quais passam apenas algumas substâncias. Como é semipermeável, a água e os resíduos conseguem passar através da membrana, mas as células sanguíneas não conseguem passar. O dialisante, também designado como solução de diálise, é uma solução de água pura, eletrólitos e sais, tais como bicarbonato e sódio. O objetivo do dialisante é eliminar as toxinas do sangue e passá-las para o dialisante. Este processo é designado por difusão. No sangue dos doentes hemodialisados, verifica-se uma elevada concentração de resíduos enquanto que o dialisantetem uma baixa concentração de resíduos. Devido à diferença na concentração entre o sangue e o dialisante, os resíduos passam através da membrana semipermeável criando uma quantidade igual de resíduos em ambos os lados. A solução de diálise é eliminada juntamente com os resíduos. Os eletrólitos presentes na solução de diálise também são utilizados para equilibrar os eletrólitos no sangue dos doentes. Existem diferentes tipos de soluções de diálise, por isso o seu médico irá escolher a mais indicada para o seu tratamento. Os líquidos acumulados são eliminados através de um processo designado por filtração. Os fluídos são como que empurrados por uma pressão mais alta no lado do sangue do que no lado do dialisante.


O que é hemodiafiltração?

A hemodiafiltração (HDF) é um processo alternativo de depuração do sangue que elimina toxinas urémicas de maior dimensão do que as que são eliminadas através da hemodiálise.

Com este processo, o sangue é bombeado através de um dialisador de alto fluxo, fazendo com que uma quantidade significativa de plasma urémico (um componente do sangue urémico que está a ser depurado) seja forçado a passar através da membrana, eliminando do sangue, as toxinas grandes de difusão lenta. Tal como na hemodiálise, as diferenças na concentração entre a solução de diálise e o sangue também são utilizadas para filtrar as toxinas do sangue, mas na hemodiafiltração há uma infusão de fluído de substituição purificado ou estéril, que entra no sangue para substituir o fluxo de plasma urémico que foi forçado a passar através da membrana. A hemodiafiltração é utilizada em função da eliminação eficaz de pequenas e grandes moléculas.

O que é a diálise peritoneal?

A diálise peritoneal é uma técnica de diálise que consiste na utilização da membrana peritoneal como um filtro para limpar o sangue e remover a água corporal em excesso, tendo a particularidade de poder realizar-se em casa. Esta técnica pode realizar-se de forma contínua, isto é, durante a noite com uma duração de 8 a 12 horas, ou de forma intermitente, durante o dia, em que se repete o procedimento conhecido por troca, 3 a 5 vezes por dia.


O que é o transplante renal?

O transplante renal pode ser uma opção de tratamento nos casos de insuficiência renal crónica. O transplante renal envolve a colocação de um novo rim no organismo, proveniente de um dador vivo ou falecido. É uma intervenção cirúrgica, efetuada sob anestesia geral. O equilíbrio entre os riscos e os benefícios varia consoante a idade e outros problemas de saúde do doente. Para muitos doentes que aguardam um transplante ou que não são elegíveis para esta intervenção, a diálise pode substituir a função renal de forma adequada

 


Posso fazer diálise noutra clínica à minha escolha?

Diálise em Férias é um plano possível, contacte a secretaria do seu centro, assistente social ou enfermeiro-chefe que encaminharão o seu pedido para a clínica pretendida ou outro destino. Saiba mais em Diálise em Férias


Quanto pode custar fazer diálise em férias?

Saiba mais em Diálise em Férias


Sou estrangeiro, encontro-me em diálise, e gostava de passar as férias em Portugal. O que devo fazer?

Contacte geral-pt@davita.com e comunique o destino pretendido


 

Cookie Settings